Por dentro do Agronegcio

PARTICIPATIVAS

Em postos estratgicos, mulheres ajudam a fortalecer a Coapa

07/03/2020 10h05 - Atualizado em 11/03/2020 16h28

Comemorado em 8 de março, o Dia Internacional das Mulheres é uma data que marca lutas e conquistas do público feminino. A busca por espaço resultou em mudanças no papel social e econômico das mulheres e, mesmo longe do ideal, elas já ocupam cargos com grandes responsabilidades e ajudam a fortalecer setores importantes da economia, como no caso do cooperativismo.

O cooperativismo é um sistema dinâmico, que prevê a colaboração e a associação de homens e mulheres com os mesmos interesses, com a finalidade de obterem vantagens comuns em suas atividades econômicas. De acordo com o Anuário do Cooperativismo Brasileiro de 2019, o número de cooperativas, em 2018, chegou a 6.828, com 14,6 milhões de cooperados. Segundo o documento, na distribuição por gênero em 2.951 cooperativas as mulheres somavam 36% do público. Número que cresceu 3% em relação ao último levantamento que tinha sido feito em 2014.

No Estado, um dos principais destaques do setor é a Cooperativa Agroindustrial do Tocantins (Coapa), com sede em Pedro Afonso e que abrange outros 12 municípios tocantinenses.

Para o presidente da Coapa, Ricardo Khouri, cada vez mais as mulheres ocupam lugares estratégicos dentro da cooperativa e a ideia é que a presença feminina cresça ainda mais. “A participação das mulheres no dia a dia da nossa cooperativa tem um lugar de destaque. Temos 26 valorosas cooperadas e 15 colaboradoras. A cooperativa tem mulheres em postos estratégicos: na área financeira, na organização do quadro social, no departamento de cooperativismo. As mulheres têm uma presença muito forte na gestão e destaco, também, a questão das esposas e filhas de cooperados que formam um comitê feminino que muito ajuda na igualdade de gênero. Claro que ainda temos muito que avançar nessa questão. Mas procuramos proporcionar condições para que elas ocupem cada vez mais postos, tanto na gestão estratégica, quanto na gestão operacional com as colaboradoras. A igualdade de gênero no dia a dia da cooperativa é uma meta que a gente busca”, ressalta o presidente.

Com 20 anos de atuação, a Agente de Desenvolvimento Cooperativista, Silvana Ramos é a colaboradora há mais tempo na Coapa e destaca como é a importante a presença feminina no cooperativismo. “É importante ressaltar que a participação das mulheres na Coapa se expressa através do envolvimento delas no negócio de sua família, que é a produção de grãos e/ou a pecuária ou ainda a agricultura familiar. Elas muitas vezes são as administradoras do negócio, quando não auxiliam nas propriedades. Elas estão presentes nas assembleias gerais e em eventos. Formalmente ainda são tímidas em agrupamento de núcleos, o que é feito hoje por filhas, esposas e irmãs de cooperados”, disse.

“A importância das mulheres, ainda que não organizada oficialmente é sentida no equilíbrio da cooperativa, pois elas compreendem os objetivos do cooperativismo em suas vidas, e incentivam a adesão e permanência do núcleo familiar no sistema”, completa Silvana.

Um das primeiras mulheres a fazer parte do quadro de cooperados da Coapa, a agricultora Rosana Yoshi Okuyama seguiu os passos do esposo, um dos fundadores da cooperativa. “Após a entrada do meu marido, entrei anos depois, pois tinha minhas próprias áreas produtivas. Isso facilitou as negociações dos grãos e aumentou a força da cooperativa. Uma das principais conquistas dentro da Coapa é ter mulheres que possam ajudar na tomada de decisões. Isso é muito importante”, pontua.

Filha de cooperado da agricultura familiar e coordenadora do Núcleo Feminino da Coapa, Glaúcia de Souza Araújo comenta da importância do grupo para as mulheres e para a cooperativa.

“O Núcleo Feminino existe há 10 anos e atende esposas, filhas e irmãs dos cooperados. O principal objetivo é a geração de renda. Temos cursos, oficinas ou capacitação para as mulheres, que dão retorno através da criação de produtos. Nossa principal área é a culinária, produzimos para vender e gerarmos renda. Muitas vezes elas não tinham outra atividade que não fosse cuidar da casa. Com o núcleo a gente se reúne, discute ideias e faz planos. A Coapa sempre nos pergunta qual curso queremos fazer, o que desejamos. É um força importante e que nos ajuda a melhorar cada vez mais”, comenta a coordenadora, antes de dizer que produtos à base de soja produzidos pelo serão expostos na Agrotins 2020.